ZOOLITERATURA, CRÔNICAS: Da utilidade dos animais  de Carlos Drummond de Andrade

Zooliteratura

ZOOLITERATURA, CRÔNICAS: Da utilidade dos animais de Carlos Drummond de Andrade

Terceiro dia de aula.  A professora é um amor.  Na sala, estampas coloridas mostram animais de todos os feitos.  É preciso querer bem a eles, diz a professora,  com um sorriso que envolve toda a fauna, protegendo-a.  Eles têm direito à vida, como nós, e além disso são muito úteis. Quem não sabe que o cachorro é o maior amigo da gente?  Cachorro faz muita falta. Mas não é só ele não.  A galinha, o peixe, a vaca… Todos ajudam

– Aquele cabeludo ali, professora, também ajuda?

– Aquele? É o iaque, um boi da Ásia Central.  Aquele serve de montaria e de burro de carga. Do pelo  se fazem perucas bacaninhas.  E a carne, dizem que é gostosa.

-Mas se serve de montaria, como é que a gente vai comer ele?

– Bem, primeiro serve para uma coisa, depois para outra. Vamos adiante, Este é o texugo. Se vocês quiserem pintar a parede do quarto, escolham pincel de texugo. Parece que é ótimo.

– Ele faz pincel, professora?

-Quem, o texugo? Não, só fornece o pelo.  Para pincel de barba também, que o Arturzinho vai usar quando crescer.

Arturzinho objetou que pretende usar barbeador elétrico.  Além do mais, não gostaria de pelar o texugo, uma vez que devemos gostar dele, mas  a professora já explicava a utilidade do canguru:

– Bolsas, malas, maletas, tudo isso o couro do canguru dá pra gente.  Não falando na carne.  Canguru é utilíssimo.

-Vivo, fessora?

-A vicunha, que vocês estão aí, produz…produz é maneira de dizer, ela fornece, ou por outra, com o pelo dela nós preparamos ponchos, mantas, cobertores, etc.

– Depois a gente come a vicunha, né, fessora?

-Daniel, não é preciso comer todos os animais, Basta retirar a lã da vicunha, que torna a crescer…

– E a gente torna a cortar? Ela não tem sossego, tadinha.

-Vejam agora como a zebra é camarada.  Trabalha no circo, e seu couro listrado serve para forro de cadeira, de almofada e para tapete.  Também se aproveita a carne , sabem?

-A carne também é listrada? – pergunta que desencadeia riso geral.

-Não riam da Betty, ela é uma garota que quer saber  direito as coisas,  Querida, eu nunca vi carne de zebra no açougue, mas posso garantir que não é listrada.  Se fosse, não deixaria de ser comestível por causa disto.  Ah, o pinguim? Este vocês já conhecem da praia do Leblon, onde costuma aparecer, trazido pela correnteza.  Pensam que só serve para brincar? Estão enganados. Vocês deve respeitar o bichinho. O excremento – não sabem o que é?  O coco do pinguim é um adubo maravilhoso: guano, rico em nitrato.  O óleo feito com a gordura do pinguim…

-A senhora disse que a gente deve respeitar.

-Claro. Mas o óleo é bom.

-Do javali, professora, duvido que a gente lucre alguma coisa.

-Pois lucra.  O pelo dá escovas de ótima qualidade.

-E o castor?

-Pois quando voltar a moda do chapéu para homens, o castor vai prestar muito serviço.  Aliás, já presta , com a pele usada para agasalhos.  É o que se pode chamar um bom exemplo.

-Eu, hem?

-Dos chifres do rinoceronte, Belá, você pode encomendar um vaso raro para o living de sua casa.  Do couro da girafa, Luís Gabriel pode tirar um escudo de verdade, deixando os pelos da cauda para Teresa fazer o bracelete genial.  A tartaruga-marinha, meu Deus, é de uma utilidade que vocês não calculam. Comem-se os ovos e toma-se a sopa:  uma de-lí-cia.  O casco serve para fabricar pentes, cigarreiras, tanta coisa… O biguá é engraçado.

-Engraçado, como?

-Apanha peixe pra gente.

-Apanha e entrega, professora?

-Não é bem assim.  Você bota um anel no pescoço dele, e o biguá pega o peixe mas não pode engolir. Então você tira o peixe da goela do biguá.

-Bobo que ele é.

-Não.  É útil.  Ai de nós se não fossem os animais que nos ajudam de todas as maneiras.  Por isso que eu digo: devemos amar os animais, e não maltratá-los de jeito nenhum. Entendeu, Ricardo?

-Entendi.  A gente deve amar, respeitar, pelar e comer os animais, e aproveitar bem o pelo, o couro e os ossos.

De notícias e não notícias faz se a crônica, Companhia das Letras.

comentários